quarta-feira, 17 de outubro de 2012

VIDA


Posso lhes discriminar as oscilações do corpo humano e suas maravilhas, e confesso que do tal assunto me aproprio para dissertar, pois nesse esqueleto envolto de pele singular se encontra algo progidioso acoplado em grupos que assim formam-me.

Ultimamente tudo que envolva a minha vida tende a passear pelo pressuposto do meu estar como eu especulo no meu subconsciente e latente, naturalmente. Seja tal, bom ou ruim, mesmo com muita impressão de estrago.

Aqui dentro por vezes há tantos murmurinhos infames que meus pensamentos ficam mais descompassados do que os passos tortos em vão. É uma histeria avassaladora.

Aí pode estar a linha tênue entre o meu ser e o meu querer ser então.

Não gosto de adormecer os significados das palavras, acho um desleixo enorme com a sua forma, a sua beleza, então lhes confesso, há sempre uma associação prazerosa entre dito e os feitos em minha caixa pensante.

Poupem-se de sustos, não está aqui a maquinadora e robótica cibernética. Mas toda ação tem aquela conseqüência mor, que direi isso ao pensar na lei newtoniana. Aí sim os espasmos aqui existentes saem do esconderijo e atacam-me.

Não quero lhes deixar a impressão de sofredora de todo esse afã aparente.

NÃO!

Deixem-me lhes mostrar o que há de bom em tudo, a começar pelo corpo, dele que explano e grito!

Desculpem-me pelo rodeio que os desnorteia, mas há essência da vida está entre o cérebro e o coração, ao menos, boa parte dela, concordem ou não.

Maquinar! Sonhar! Amar! Sofrer! Viver! Tudo isso fazem parte de você, de mim.
.
Quero lhes deixar confortáveis ao que me rodeia: Aqui há paz. Se existe essa dor paroxística, existe também o afago dos meus queridos, a começar por mim, como mimo a mim mesma! Nunca estive tão inundada pelo amor superior e mortal dos que me acompanham!

Quero que fique claro: A dor pode estar seu grau maior na escala estabelecida pelos profissionais da arte de salvar vidas, mas esta fica aquém do que realmente acredito.

A dor não é maior que o amor! E é por ele que eu vivo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário