quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Liberta


Se você acha que é tão fácil e voraz
Bancar a desalinhada assim tão sensata
e intrigante com seus seus devaneios atrás

Não me prenda
Não me delimite
Se renda
Destorça os encantos  lá dos demais

Chegou a hora de ser a marmota
Que vive à revolta
Me dê até logo com gosto de outrora
Me deixe em paz

Nenhum comentário:

Postar um comentário