segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Dor. do mi NA lá ei

Ando errante quando me encontro nas notas perdidas dos grupos instrumentais, principalmente quando a patologia que carrego fazem meus nervos piscarem, eles se alvoriçam até encontrarem quietude.

Fico à deriva quando me perco no elemento quase único do som do bando que me confia seu talento musical em meus ouvidos. Meus dentritos saltam na minha caixa pensante e ameniza a culpa da ausência do tomar dos componentes que sempre são guardados a sete chaves nas drogarias da vida, pelo menos os meus são. São seletos, são anestesiantes, por ora insubstituíveis.

Sigo minha rota quando me acho nos timbres daqueles que explanam letras fáceis de sentir mesmo com ausência de palavras em suas rimas, oscilam entre o dó e também o [lá], porque paralisados permanecem as ramificações neurais devido ao choque musical.

Tenho crise quando me encontro, me perco e me acho normal, deixando de lado as cápsulas diárias por mim a serem absorvidas, mas me caem como luva à cura, por meio de uma, duas ou até três notas de um conjunto musical.

Nenhum comentário:

Postar um comentário