quinta-feira, 6 de maio de 2010

Alguma coisa...

Não é nada!
E essa multidão que passa em uma velocidade avassaladora, que quase me atropela,
tropeça em quem gostaria que se tropeçasse.
No meio de tanto barulho e movimento, cartazes, eventos, chamamentos, suplícios, apelações, ainda há tempo de observação, análise, e nostalgia.
Seria uma abstinência de sentir falta de sentir falta?Ou uma constatação de que nela bate um coração, que não é só mais um de seus músculos.
Seria mesmo, qualquer coisa melhor do que ficar só?
Onde foi parar seu espaço?Eu a controlo, antes que fique mais uma vez subentendida nos idiomas tão claros que a sua língua se dispõe a falar.
Assim parece ser alguns gostam de complicar, outros de filosofar, e outros preferem dizer nada.
Nada!

Um comentário:

  1. muito bom seu texto...

    """essa multidão que passa em uma velocidade avassaladora
    No meio de tanto barulho e movimento, cartazes, eventos
    Seria mesmo, qualquer coisa melhor do que ficar só?

    ResponderExcluir